Sexualidade na gravidez

A sexualidade durante a gestação é um assunto cheio de mitos, curiosidades e tabus. Apesar de levantar muitas dúvidas entre os casais, esse assunto é pouco comentado, o que colabora para o crescimento dos mitos e dúvidas. Nesse período a mulher passar por muitas mudanças de físicas e emocionais e precisa descobrir junto ao parceiro uma nova forma de sentir prazer.

SXC.HU

SXC.HU

Na mulher as mudanças são mais visíveis, embora ambos precisam se adaptar à nova maneira de se relacionar sexualmente. Além de passar por mudanças no corpo, a gestante enfrenta alterações hormonais que podem alterar seu estado emocional. Alguns estudos na área indicam que durante a gravidez a mulher se sente mais cansada, o que diminui o desejo feminino durante os últimos meses da gestação. Outro fator que interfere no desejo sexual da gestante é a prolactina, hormônio responsável pela fabricação do leite. A taxa de prolactina no sangue sobe muito durante a gravidez e contribui para a diminuição da libido.

O homem também pode se sentir confuso e com receio de machucar o bebê ou a mãe. O que ele, e você, precisam saber é que o ato sexual não machucará o feto, desde que a posição seja confortável. O ideal é sempre conversar com seu médico para que, caso haja alguma objeção, ele possa informar ao casal a melhor forma para enfrentar a situação.

Na contramão desses estudos, outros pesquisadores da área firmam que o desejo sexual da mulher tende a aumentar no primeiro e no terceiro trimestre da gravidez. Os profissionais da Rede Mãe, no entanto, recomendam aos casais conversarem e tentarem juntos descobrirem as mudanças da fase, tanto as boas quanto as mais difíceis. Como cada mulher é única, assim como cada gestação, acreditamos que há muitas diferenças no que diz respeito à sexualidade na gravidez e cada casal precisa descobrir e superar as suas com criatividade e amor.

Publicado em 2 de abril de 2013 / Atualizado em 5 de abril de 2013

Silva, A. I., Figueiredo, B., Isabel, A., & Licenciada, S. (2005). Sexualidade na gravidez e apos o parto, (3), 253-264.

Veja o que a nossa comunidade está dizendo sobre este tema e comente! Comentar